terça-feira, 22 de agosto de 2017

O MUSEU NAS MÍDIAS

O Museu Julio de Castilho comemora a divulgação que vem alcançando na imprensa e aproveita para agradecer ao jornalistas e fotógrafos envolvidos.



Oficina de gastronomia em tempos de batalha, no Museu Julio de Castilhos. 
Foto: Guilherme Santos/Sul21

Lucas Rohan
A primeira iguaria que os participantes da oficina Comida de Batalha, que começou na noite da última sexta-feira (18) no Museu Julio de Castilhos, provaram foi o que o chef responsável definiu como “o ketchup/mostarda” da época. Djalma Souza Correia estuda a gastronomia medieval e trouxe o molho camelina para colocar à prova o paladar dos alunos na primeira aula de uma atividade que pretende integrar gastronomia com fundamentação histórica.
Cerca de 30 pessoas se inscreveram para aprender como os povos da época medieval se alimentavam. Djalma começou a se interessar pelo tema quando viveu no norte de Portugal e resolveu compartilhar as experiências para “divulgar a desmistificar” a Idade Média. “Se fizermos um paralelo entre a feijoada, por exemplo, vamos ver que não tem nada na feijoada de hoje que já não existisse naquela época”, comenta. “Gostas de mocotó, de carne de panela?”, questiona o cozinheiro, citando outros exemplos.
Reportagem na integra sobre a Oficina Comida de Batalhas