sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Acervo em Foco Dia do Músico

Mais um Acervo em Foco no mês de Novembro, Dia do Músico, nos Acordes do Tempo. Assim, o Museu Julio de Castilhos presta sua homenagem. Exposição de 22/11/2015 a 05/12/2015. Bem-vindos.


Acervo em foco

Nos acordes do tempo
A música faz parte da vida do ser humano desde os tempos mais remotos. Muitos dizem que desde a pré-história o ser humano já produzia sons e ruídos que remeteriam ao que se passou a considerar música. Na Grécia Antiga, as primeiras composições musicais receberam o nome mousikê, ou seja, “arte das musas” remetendo às entidades mitológicas chamadas “musas”, que tinham a capacidade de inspirar a arte e a ciência.

Com o passar do tempo, a música foi se desenvolvendo até chegar à canção: música e versos juntos, acompanhando diversas experiências humanas. Nos primeiros séculos da era cristã, a música sacra surgia como forma de louvor a Deus, na Idade Média muitas restrições foram impostas pela Igreja, sendo permitida apenas a música para fins religiosos.

A partir do Renascimento, a música profana (não religiosa) cresceu pela Europa, e no período Barroco surgiram os concertos de ópera, com composições e arranjos mais elaborados, permitindo o desenvolvimento de novos gêneros com o passar dos séculos. Mas é no século XX que surge uma efervescência de estilos musicais, como o jazz, o samba, o rock n’ roll, a bossa nova, a música latina, o disco, o funk, o hip hop, o soul, o reggae, o new age e a música pop.

No Brasil, a Ordem dos Músicos do Brasil – OMB, criada pela Lei 3.857 de 22 de dezembro de 1960, é o órgão federal de personalidade jurídica que regulamenta, preserva e fiscaliza a profissão de músico no país.

O dia 22 de novembro é o dia do músico, dedicado à Santa Cecília, considerada pela Igreja Católica a padroeira dos músicos por ter se dedicado ao estudo da música ao longo de sua vida. Como homenagem, o Museu Julio de Castilhos traz ao público uma breve história da música e instrumentos musicais como um violino, uma cítara e um toca-discos portátil.

Pesquisa: Kamyla Dias