quinta-feira, 24 de abril de 2014

Museu Julio de Castilhos realiza mostra do premiado Vagner Dotto

         Natureza Íntima é a exposição que estreia na próxima quarta-feira (30 de abril), no Museu Julio de Castilhos, a partir das 19 horas. A mostra faz uma panorâmica de pinturas, desenhos, gravuras e esculturas do premiado artista Vagner Dotto. O evento, que tem a curadoria de Renato Rosa, fica aberto de 02 de maio a 04 de junho, de terça a sábado, das 10h às 17h, com entrada gratuita. O Museu Julio de Castilhos, que faz parte da Secretaria de Estado da Cultura, fica na rua Duque de Caxias nº 1205.

         Natural de Caçapava do Sul, o desenhista, pintor, ceramista, escultor e gravador  teve seu primeiro contato com arte na infância, em sua cidade natal. Em 1965, já com vinte anos de idade, foi morar em Porto Alegre, quando passou a receber orientação do professor e filósofo Gerd A. Bornhein. Bacharel em Desenho e Pintura pelo Instituto de Artes da UFRGS, Dotto ganhou a  medalha de prata no III Salão da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro (1975), além de ter recebido incontáveis prêmios como no 43º Salão Paranaense, Curitiba (1986), no XII Salão de Ribeirão Preto, SP, no Salão de Piracicaba, SP (ambos em 1987),  e o de Viagem ao Estrangeiro (Paris), Curitiba, PR.  Foi, ainda, detentor do troféu da Associação Riograndense de Artes Plásticas Francisco Lisboa (Chico Lisboa), Porto Alegre (1992 e 1993).

         No entanto, somente a partir de vigorosa série de desenhos denominada Cem Anos de Solidão, retornando do México (onde residiu desde 1980) e das figuras travestidas de A Cabana do Turquinho, que passa a ser notado pela crítica nacional. Participou da edição de 1980 do Panorama da Arte Atual Brasileira, em desenho, MAM-SP. Neste mesmo ano seu trabalho é apreciado em diversas universidades norte-americanas, em projeto coordenado por Alfred Daniel Frederick. Em 1995, o Museu de Arte de Santa Maria dedica-lhe retrospectiva e denomina sala de exposições com seu nome. Artista invulgar, realizou obra extensa e diversificada tanto no sentido temático quanto técnico, obedecia o que sua intuição determinava e, agindo dessa maneira, lançava-se aos desafios que se impunha. Procedeu assim com a cerâmica, escultura, desenho, gravura em diversas modalidades, pastel, guache e pintura, mostrando a multiplicidade de seu talento. Um fato em sua trajetória que atingiu repercussão nacional foi quando protestou pela poluição do rio Guaíba, jogando da ponte esculturas, performance realizada em 1984 e baseada em atitude semelhante executada em Paris por Modgliani. O artista está catalogado pelo MARGS, Porto Alegre, RS, e consta em seu acervo como Vagner Rodolfo Dotto.