sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

A Afirmação de Um Conceito nas Exposições

Dando continuidade ao processo de desconstrução e construção de uma nova expografia no Museu Julio de Castilhos, e com sentido prático de reafirmar o conceito de cidadania cultural, como eixo formador e formulador dessa linha orientadora em nossas atividades, estabelecemos uma parceria com a UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina através do seu Museu Universitário Professor Osvaldo Rodrigues Cabral que elaborou uma exposição com o Curso de de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, ação esta vinculada ao programa de inserção social desenvolvido pela UFSC/MEC, onde  esse programa criou um curso de graduação, vinculado as áreas de pedagogia e patrimônio cultural, voltado para as comunidades Kaingáng, Xokleng e Guarani.
Assim, a cidadania cultural, é um grande eixo transversal que dialoga com temáticas amplas, complexas e tensas, e oportuniza dar condições cidadãs para a expressão dos saberes e fazeres culturais, bem como afirmação de territórios e trocas identitárias, advindos de grupos, quase sempre invisibilizados pelo processo histórico, tendo sido renegado os seus direitos culturais. 

“A dimensão cidadã fundamenta-se no princípio de que os direitos culturais são parte integrante dos direitos humanos e devem constituir-se como plataforma de sustentação das políticas culturais. A esse respeito a CF/88 é explícita: “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais” (art. 215). Contudo, esses direitos são ainda pouco conhecidos e frequentemente desrespeitados e subestimados, quando comparados aos direitos civis, políticos, econômicos e sociais, que gozam de maior reconhecimento. Por outro lado, o mundo contemporâneo, pós-Guerra Fria, está vendo emergir fatores de ordem política, social e econômica que estão conduzindo as questões culturais ao centro das atenções. Nessa conjuntura, definir e colocar em prática os direitos culturais é vital para o desenvolvimento humano e para a promoção da paz” (CNC, 2010).
A partir desta concepção, o Museu Julio de Castilhos, tem orgulho de receber a exposição  "Guarani, Kaingáng e Xokleng - Memórias e Atualidades ao Sul da Mata Atlântica" que traz a história de construção de uma curadoria compartilhada dentro da UFSC, entre o seu museu e o curso de interculturalidade, e que com painéis amplos traz os elementos de três povos indígenas (Guarani, Kaingáng e Xokleng), mostrando como um dos textos da própria exposição ressalta "a pluralidade linguística e a sociopolítica" como elementos integradores de referenciar esta memória e esta atualidade vivida por estes atores sociais.
Esta exposição nos chegou ao conhecimento, por fruto do trabalho da equipe do MARS - Museu Antropológico do Rio Grande do Sul, ao qual nos orientou na construção da vinda da mesma, e que começamos juntos a desenvolver ações educativas para trabalhar esta temática em nosso museu. Também um compartilhamento de informações e conhecimentos que vão enriquecendo uma a outra as instituições culturais envolvidas. Isto para nós é cidadania cultural, é oportunizar visibilidade a "novos" agentes protagonistas de seus processos culturais, é ligar e intercambiar relações sociais, onde o museu passe a ser espaço de tradição, de contradição, elemento provocador de releituras sociais, mas também espaço difusor de conhecimento. “Símbolos culturais têm o poder de moldar identidades culturais, tanto no nível individual, quanto no social; de mobilizar emoções, percepções e valores; de influenciar o modo como sentimos e pensamos.” (CABRAL apud HOOPER-GREENHILL, 2005. p.18).

E é com esta idéia de museu provocativo e evocativo de novas percepções sociais, que com a parceria e o conhecimento de todos estes agentes envolvidos, é que o museu traz a mostra em sua a exposição "Guarani, Kaingáng e Xokleng - Memórias e Atualidades ao Sul da Mata Atlântica".

Joel Santana
Diretor do Museu Julio de Castilhos

Referencia Bibliográfica


CABRAL, Magaly. Encontro Estadual Sobre Museu, Preservação de Patrimônio, Memória e Identidade. Univattes, Lajeado. 2005

CNC, Conferência Nacional de Cultura. Texto Base da II Conferência Nacional de Cultura. <http://blogs.cultura.gov.br/cnc/tag/texto-base>. 10 de setembro de 2011.